Um rosto que se esvai

Tenho traficado pelo céu pequenos papéis que dizem a todos o quanto tenho deixado para trás as oportunidades de poder sobrevoar as montanhas que representam os traços do teu rosto, ou talvez do teu sorriso, já que faz tanto tempo que eu a toquei, que a vi, que tuas expressões estão, cada vez mais, tornando lembranças tão difíceis, quanto distante, para que eu possa revivê-las em minhas memórias, mas teu sorriso continua tão vivo que, quando um desespero, de baixa intensidade, é verdade, me atingi, eu consigo vê-lo tão claramente que chego a imitá-lo, e isso me faz tão bem.

Bem, é assim que tenho caminhado, distante de tudo aquilo que prometemos, daquilo que pelo menos eu tinha nos prometido, mas, como a causa dos sonhos nem sempre é o fato de amar, espero que as chamas não tenham apagado, que as luzes que cercavam nosso imenso campo de flores ajudem a iluminar tudo isso que um dia chamamos de "as nossas vontades que nunca irão cessar", e, que assim seja.

Agora vamos ter, assim, em alturas distintas, mas em vôos com mesmo destino, trovoadas e arco-íris que irão dizer-nos a todo o tempo a importância de sabermos que o outro persiste em existir com os mesmos sonhos, apesar de tudo, e mesmo com tua imagem, dia após dias, ir esvaindo cada vez mais das minhas memórias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário